terça-feira, novembro 19, 2013

e. e. cummings, o poeta com a sensibilidade de um clítoris

à atemporalidade e ao tempo igual,/ o amor não tem início nem final:/ se nada andar nadar nem respirar/ o amor serão o vento a terra e o mar/ (amantes sofrem? cada divindade/ lhes veste a pele com mortal vaidade:/ amantes são felizes? seu querer/ cria universos ao menor prazer)/ amor é a voz por trás do que se cala,/ esperança que o medo não cancela:/ força tão forte que nem força abala:/ verdade antes do sol e além da estrela/ – amantes amam? ora, o tolo e o esperto/ que preguem céu e inferno, tudo certo/ . Being to timelessness as it’s to time,/ love did no more begin than love will end:/ where nothing is to breathe to stroll to swim/ love is the air the ocean and the land/ (do lovers suffer? all divinities/ proudly descending put on deathful flesh:/ are lovers glad? only their smallest joy’s/ a universe emerging from a wish)/ love is the voice under all silences,/ the hope which has no opposite in fear:/ the strength so strong mere force is feebleness:/ the truth more first than sun more last than star/ – do lovers love? why then to heaven with hell./ whatever sages say and fools, all’s well/

1 comentário:

Anónimo disse...

Belíssimo. Ou diria mesmo, orgástico.