quarta-feira, outubro 09, 2013

«Às vezes, quando penso nos homens célebres, sinto por eles toda a tristeza da celebridade. A celebridade é um plebeísmo. Por isso deve ferir uma alma delicada. É um plebeísmo porque estar em evidência, ser olhado por todos inflige a uma criatura delicada uma sensação de parentesco exterior com as criaturas que armam escândalo nas ruas, que gesticulam e falam alto nas praças. O homem que se torna célebre fica sem vida íntima: tornam-se de vidro as paredes de sua vida doméstica; é sempre como se fosse excessivo o seu traje; e aquelas suas mínimas ações — ridiculamente humanas às vezes — que ele quereria invisíveis, côa-as a lente da celebridade para espetaculosas pequenezes, com cuja evidência a sua alma se estraga ou se enfastia. É preciso ser muito grosseiro para se poder ser célebre à vontade.» Fernando Pessoa

4 comentários:

Anónimo disse...

"É preciso ser muito grosseiro para se poder ser célebre à vontade"

Não necessariamente. Depende de quanto vimos as outras pessoas como uma ameaça.

Anónimo disse...

Ó da casa, então não há serviço aqui? Vai-se embora e deixa os clientes com sede? Que tasca tão rasca..

CCF disse...

Pois é, também estranho o silêncio, espero que não sejam problemas de saúde.

(isto porque me lembro do autor do blogue o Jumento).

Faz cá falta.

~CC~

Sr Joao disse...

Obrigado. Motivos laborais...