segunda-feira, setembro 30, 2013

- Sempre dei mais valor ao indivíduo do que ao colectivo, ao afecto do que à suposta razão. Depois do 25 de Abril, era comunista e sempre me causou asco os que deixaram de falar aos amigos. Tinha amigos de direita e ia atravessar a rua para os cumprimentar, eles andavam envergonhados e ficavam admirados. Sempre pus a amizade à frente do resto. Não confundo ideias com paixões.

8 comentários:

Anónimo disse...

Ponha-se no lugar dos "porcos dos capitalistas" e depois perceberá melhor a situação.

Anónimo disse...

que não confunda ideais (políticos) com paixões, ainda acredito; mas são as ideias que concebemos do mundo, dos outros e de nós próprios que, na verdade, filtram as paixões.

Anónimo disse...

Bem, li mal o post, pensava que era um ataque à direita, peço desculpa.

Anónimo I

Anónimo disse...

:D :D :D
... é o primeiro instinto do capitalista, achar-se atacado.
mas, pronto, pode ser de direita, mas pelo menos parece honesto.

Anónimo disse...

Este post é falso, o autor tinha 3 anos no 25 de Abril

Anónimo disse...

o sr joão tem 42 anos?

Sr Joao disse...

Travessões: coisas que ouço.
Tento dar uma visão caleidoscópica do que recolho.

Sr Joao disse...

Desculpado, anónimo.