quarta-feira, agosto 07, 2013

Agosto

Não o mais cruel dos meses, mas o mais estúpido dos meses. Os raríssimos programas de televisão que valem alguma coisa suspendem-se. Os cronistas vão de férias. Tudo é leve, fútil, estupidificante. A inteligência suspende-se. A inteligência vai de férias. E as medidas mais tenebrosas passam ante a complacência dos dormentes.

5 comentários:

Anónimo disse...

Há sempre a Tasca.
E o poema de ontem é tudo menos vazio.

Sr Joao disse...

Obrigado, anónimo.

Anónimo disse...

Anónima.

Anónimo disse...

"Agosto é desgosto"
diz o ditado, que as coitadas das noivas que casavam em agosto viam os homens a partir para o mar. Alguns para sempre... deixa que seja superficial, paixoes que ficam enterradas na areia, leve, fraco, fresco, demorado. Às vezes faz falta alguma dormência nos pensamentos.



para variar


;)
CF

Anónimo disse...

CF, a Prin.?