terça-feira, abril 02, 2013

- Não, não, não, nada disso. Temei antes os fracos. Não é a pessoa resolvida consigo a que entra numa escola ou num café e mata meia dúzia de pessoas. Porque é que essas pessoas têm sempre uma história pessoal de frustração e infelicidade? Não são as conquistas, o sentir-se amado, as realizações pessoais que produzem déspotas, é antes a falta de amor e de compreensão que os leva a vingarem-se numa sede enorme de poder. Não é o homem que foi muito amado aquele que maltrata a mulher. Não é quando a vida vos corre bem menos que estão mais susceptíveis, mais irascíveis, mais propensos à raiva ou à violência? Não é quando estão frustrados por não conseguirem chegar a um sítio a horas que têm tendência a buzinar mais? Acaso será a vingança o resultado de uma compensação por um acto de amor ou de frustração? Freud dix it: a frustração é a origem de todos os males.

2 comentários:

Anónimo disse...

Concordo. Frustação, inveja, humilhação são sentimentos poderosos que levam ao comportamento obcecado das pessoas, como psicopatas, ditadores, políticas de extrema esquerda ou extrema direita, etc.

Anónimo disse...

Acho que o problema é as pessoas terem tido vidas infelizes desde pequenas, não terem sido amadas. A falta de amor deve ser a causa de tanto rancor, que faz as pessoas tão infelizes com a vida.