terça-feira, abril 23, 2013

A capacidade de se outrar. Ando a pensar nisto. De ser outro. De pensar como outro. De ver e sentir como outro.

8 comentários:

Luis Rodrigues disse...

Há quem o tente atingir, por passar a vida a tentar entrar no outro.

Anónimo disse...

Habitar a pele de outro, suportar o rumor do sangue nas suas veias quando se perde e quando se encontra, deslindar o grito que lhe sai mudo quando enlouquece e desce ao inferno não é fácil; implica muito de nós próprios… geralmente demasiado.

curtos instantes disse...

Ser outro é talvez impossível, mas diria que cada vez é mais relevante ver como o outro, sentir como o outro, pensar como o outro. Nem sempre é possível (não impossível) mas vale sempre a pena pensarmos como o outro iria pensar, iria ver, iria sentir. Vale sempre a pena quando a outra pessoa nos interessa e, neste caso, a relação fica, certamente, a ganhar.

Anónimo disse...

É muito difícil quando estão todos a olhar para nós. É preciso fugir.

Anónimo disse...

Quem permanece estático ao longo do tempo, insensível ao que lhe é exterior, quem não muda, quem não se reinventa, embota, não cresce, apequena-se e fecha-se sobre si próprio. Pensar, ver e sentir como outro é necessário.

Anónimo disse...

Nota-se. ;)

Anónimo disse...

o sexo é uma saudação trocada entre duas almas. d´O Livro do Desassossego

Anónimo disse...

morrer por outro ou morrer no outro: não será esta a escolha?...