terça-feira, abril 30, 2013

In the Paris Métro, Even Dead Legends Can't Smoke By Bruce Crumley / Paris Thursday, Apr. 23, 2009 inShare GUILLAUME CLEMENT / AFP / GETTY A woman looks at the poster of the movie Coco avant Chanel on April 21, 2009 in Paris. RELATED Looking Up to the Eiffel Tower Paris Expands An Urban Adventure Email Print Share Reprints Follow @TIME Even before France's 2007 ban on lighting up in public areas, smokers had been declared persona non grata in Paris' Métro stations, where they risk hefty fines if they venture the merest puff. Now, however, even people who support France's crackdown on smoking feel things may have gone too far. This week, the Métro refused to run posters advertising the new Coco Chanel biopic Coco, Before Chanel, which stars Amélie's Audrey Tautou, saying the photo that depicts the fashion legend with her trademark cigarette violates anti-smoking laws. Whether it's "tobacco revisionism," as critics contend, or political correctness à la française, things have just gotten tougher for smokers in France — including those who've long kicked the habit in death. Métrobus, the company that handles display advertising for the Paris Métro and SNCF rail company, says it was obliged to refuse a poster for Coco, Before Chanel because it violates a 1991 law "prohibiting all direct or indirect advertising" for tobacco or alcohol in most public venues. Under that ban, Métrobus reasoned that the poster's shot of a pyjama-clad Tautou holding a flaming ciggie aloft in a typical pose of the real Chanel could be interpreted as an encouragement to light up. It's not like anyone in France ever needed much prodding to do that. But Métrobus decided to play it safe, and asked Coco's studio, Warner Bros., to airbrush the cigarette out or lose the ad. (See pictures of old tobacco ads.) Warner Bros. opted for the latter — sort of. It replaced the 1,100 posters in its Métro campaign with alternative ones showing Tautou as Chanel sans tabac. The original ads won't go to waste — they have been deployed as planned beyond the confines of the Métro. But in refusing to alter its depiction of Chanel wielding one of her beloved cigarettes, Warner Bros. rejected a revisionist compromise that others have been forced to make. Earlier this month, the Cinématheque Français in Paris was ordered by Métrobus to remove or mask another purported subliminal call to start smoking: legendary filmmaker Jacques Tati's equally legendary pipe. The Cinématheque's ad for its Tati exhibition uses a shot from the 1958 film My Uncle, featuring the filmmaker in his iconic pose: riding a Solex, decked out in felt hat and overcoat, signature pipe clenched between his teeth. Forced by Métrobus — and, claims the company, France's advertising law — to do something about the illicit pipe, the Cinématheque decided not to airbrush it out, but instead drew a yellow propeller over the bowl to turn it into a child's pinwheel. In doing so, the Cinématheque explained in a statement, it "ensured that the law is respected and that, above all, everyone realizes the absurdity of this substitution." Cinématheque officials aren't alone in their annoyance. Unions representing French film directors and critics issued a joint denunciation of what they called "unbearable revisionism" behind the moves and "censorship" of the beloved Tati's much-adored pipe. Similarly, Socialist politician Claude Evin — the former health minister who authored the 1991 law behind the current rumpus — lamented the "ridiculous" efforts to erase signs of the very real smoking habits Tati and Chanel had in their lifetimes. Asked by reporters if she supported Métrobus' application of the law, current Health Minister Roselyne Bachelot replied in alarm, "Ah non, I'm not for taking Jacques Tati's pipe away from him!" But Chanel and Tati aren't the first historical figures with (in)famous smoking addictions to have their cigarettes posthumously confiscated. In 1996, for example, France's postal service issued a stamp of French culture and political icon André Malraux using a well-known photo of him — though only after the smoldering butt visible in his hand in the original had been removed. And in 2005, France's National Library used a celebrated shot of Jean-Paul Sartre to advertise its "Controversies" exhibit, but first airbrushed the ubiquitous clope from between his tobacco-stained fingers. In the end, the altered picture wound up joining the other controversial photos in the exhibition, after detractors noted the irony of the library's effort to erase that ever-present existential detail from the philosopher's life. Despite the gnashing of teeth all this tampering has prompted, the debate is sure to continue. After all, British director Guy Ritchie will presumably have to feature a pipe in ads for his upcoming movie about Sherlock Holmes, due out in France next year. And promising to be even more inflammatory, marketing will soon start on French director Joann Sfar's film about late French signer Serge Gainsbourg, a pop hero whose bad boy image was built on lavish public displays of tobacco and alcohol abuse. Good luck banning that. Read about French culture. Read more: http://www.time.com/time/world/article/0,8599,1893382,00.html#ixzz2RxDviWTJ

segunda-feira, abril 29, 2013

«Os livros fazem fazer coisas. Divórcios, poemas. O amor também. Ele gosta de livros. Ela gosta dele. Oferece-lhe livros. Ele lê os livros que ela lhe oferece deitado no lado esquerdo da cama. Ela não lê, antes medita: Para que lado se deita o amor? Por qual narina respira melhor? Ela levanta-se do lado direito da cama e veste o robe de seda púrpura. Prepara-se para o afecto. Ele continua a ler: prefere a carne e o odor forte de certas frases. Adormece com o livro aberto a fazer o cume do coração. Com a página 63. Ela destapa-lhe o coração, lê uma frase aleatória. Rasga, amarfanha, mastiga, engole. Despe o robe de seda púrpura e veste o pijama com o cheiro a vésperas. Algodão impregnado de monotonia. Os livros fazem fazer coisas. Divórcios, poemas. O amor também.» Sandro William Junqueira

domingo, abril 28, 2013

Holocausto animal

http://www.casaldasletras.com/pedro_traco_diario.html

sexta-feira, abril 26, 2013

ATHLETICS » Honesty of the long-distance runner Vitoria-based athlete Iván Fernández Anaya refused to take advantage when his rival stopped short of the finishing line in a cross-country race CARLOS ARRIBAS / EL PAÍS Madrid 19 DIC 2012 - 21:29 CET Fernández Anaya helps Mutai toward the line. / CALLEJA (DIARIO DE NAVARRA) Recomendar en Facebook18.693 Twittear1.249 Enviar a LinkedIn304 Enviar a TuentiEnviar a MenéameEnviar a Eskup Enviar Imprimir Guardar Is winning all that counts? Are you absolutely sure about that? Two weeks ago, on December 2, Spanish athlete Iván Fernández Anaya was competing in a cross-country race in Burlada, Navarre. He was running second, some distance behind race leader Abel Mutai - bronze medalist in the 3,000-meter steeplechase at the London Olympics. As they entered the finishing straight, he saw the Kenyan runner - the certain winner of the race - mistakenly pull up about 10 meters before the finish, thinking he had already crossed the line. Fernández Anaya quickly caught up with him, but instead of exploiting Mutai's mistake to speed past and claim an unlikely victory, he stayed behind and, using gestures, guided the Kenyan to the line and let him cross first. He was the rightful winner. He created a gap that I couldn't have closed" "I didn't deserve to win it," says 24-year-old Fernández Anaya. "I did what I had to do. He was the rightful winner. He created a gap that I couldn't have closed if he hadn't made a mistake. As soon as I saw he was stopping, I knew I wasn't going to pass him." Fernández Anaya is coached in Vitoria by former Spanish distance runner Martín Fiz in the same place, the Prado Park, where he clocked up kilometers and kilometers of training to become European marathon champion in 1994 and world marathon champion in 1995. "It was a very good gesture of honesty," says Fiz. "A gesture of the kind that isn't made any more. Or rather, of the kind that has never been made. A gesture that I myself wouldn't have made. I certainly would have taken advantage of it to win." I wouldn´t have done it. I would have taken advantage of the mistake to win" Fiz says his pupil's action does him credit in human if not athletic terms. "The gesture has made him a better person but not a better athlete. He has wasted an occasion. Winning always makes you more of an athlete. You have to go out to win." Fiz recalls that at the 1997 World Championships in Athens he was followed by his countryman Abel Antón the whole way. In the final meters Antón attacked and easily won the race, having exploited all Fiz's hard work. "I knew that was going to happen. [...] But competition is like that. It wouldn't have been logical for Antón to let me win." Fernández Anaya trains in the Prado every day, putting in double sessions three times a week - when his vocational studies allow. Experts say he is one step away from entering the elite of Spanish cross-country running. His goal this year is to at least make the Spanish team for the world cross-country champions. But according to his coach, the pressure gets to him. "He doesn't know how to overcome the pressure, which is what differentiates champions. If he did, he would have been at the recent European championships," Fiz notes. "In the Burlada cross-country race there was hardly anything at stake [...] apart from being able to say that you had beaten an Olympic medalist," says Fernández Anaya. "But even if they had told me that winning would have earned me a place in the Spanish team for the European championships, I wouldn't have done it either. Of course it would be another thing if there was a world or European medal at stake. Then, I think that, yes, I would have exploited it to win... But I also think that I have earned more of a name having done what I did than if I had won. And that is very important, because today, with the way things are in all circles, in soccer, in society, in politics, where it seems anything goes, a gesture of honesty goes down well."
Alemanha: "In" ou "Out"? por MANUEL MARIA CARRILHOOntem55 comentários O 25 de Abril de que hoje precisamos é europeu. Não porque não haja muito a fazer por cá, mas porque a mudança que agora se impõe como decisiva para que se consiga sair da crise em que estamos atolados é europeia. Temos que nos concentrar no essencial. E o essencial é que a crise despoletada pela situação da dívida grega em fins de 2009 foi a ocasião, mas também o pretexto, para se desencadear uma operação de profunda transformação da natureza e dos objetivos da União Europeia e, especialmente, da Zona Euro. O que é preciso ter bem presente é que o euro e a união monetária não apareceram por acaso ou num lance de pura improvisação política. Não, nasceram de uma tripla expectativa - e de um triplo compromisso - de convergência, de crescimento e de equilíbrio, entre os países que constituíram a Zona Euro. E sejam quais forem as causas que se entenda que estiveram na origem da "crise do euro", não se podem desligar as responsabilidades apuradas - e elas foram bem mais variadas do que muitas vezes se pretende - do quadro de acompanhamento e de solidariedade institucional que permanentemente as enquadrou durante toda uma década. Foi contudo isto que infelizmente aconteceu, nos últimos dois anos e meio, sob o impulso alemão, a fraqueza francesa e a generalizada vassalagem dos líderes europeus. Tudo começou com a Grécia, mas agora já ninguém sabe onde, nem como, irá acabar... E o que começou não foi bem o que parecia - pôr em ordem um Sul preguiçoso e gastador -, mas um lance extraordinariamente audaz no sentido de um novo, e inédito, domínio alemão na Europa. Insisto: o que é preciso entender é que a crise do euro criou a ocasião propícia para a Alemanha alterar a correlação de forças europeia, lançando-se numa nova afirmação como potência na Europa. E de o fazer clandestinamente, com o magnífico álibi de estar a ajudar os outros... O facto é que, em pouco mais de dois anos, ela conseguiu impor-se e dominar a Zona Euro e a União Europeia como nunca tinha acontecido, pondo fim à igualdade dos Estados, abandonando o espírito de solidariedade entre os povos, marginalizando a Comissão Europeia e ignorando o método comunitário. Da Alemanha europeia passou-se à Europa alemã, tão bem descrita por Ul- rich Beck. A "solução alemã" impôs-se através de uma forma de política de austeridade que, insinuando amanhãs mais radiosos sempre adiados, tudo submete afinal às exigências e aos imperativos da sua política nacional. Acontece que, dois anos passados, os resultados desta política são catastróficos nos países onde ela foi aplicada, e ameaçam agora muitos outros com uma perigosa contaminação. O "consenso de Berlim" que tem dominado a Europa ameaça assim conduzir-nos ao colapso, com uma recessão cada vez mais funda (2013 será um segundo ano de recessão na Zona Euro) e um desemprego que atingiu valores intoleráveis, 26 milhões em toda a União Europeia. Neste momento, depois dos países sob resgate formal e informal, é toda a Zona Euro (e não só...) que começa a vacilar com as consequências desta política, com todas as economias a revelarem preocupantes sinais dos efeitos da contaminação austeritária - com exceção da Alemanha, da Áustria... e pouco mais. Até já Durão Barroso fala, embora sem tirar disso as devidas consequências, nos erros e nos limites das políticas de austeridade... E a Holanda dá sinais de alerta, como acabou de se ver na semana passada, ao adiar sine die as medidas de austeridade previstas, em nome da confiança e do crescimento. Compreendem-se assim bem as polémicas afirmações feitas há dias por George Soros num texto publicado no Syndicate Project, e depois retomadas em entrevista ao El País. Ele chamou a atenção para o essencial, que é o modo como o projeto europeu tem sido estropiado em claro benefício da Alemanha. A solução da crise europeia passa pois por, de um modo muito claro, se colocar a questão de saber quem é que manda na Europa, e nomeadamente na Zona Euro: se é a Alemanha, mais ou menos a solo, ou se é a maioria do conjunto de países que a constituem. E muito concretamente em saber se esta maioria continua a caucionar a atual linha austeritária, ou se ela pretende retomar e afirmar o espírito e os compromissos que estiveram na sua origem. Queremos uma Europa de Estados com soberania partilhada ou uma Europa de vassalos de uma potência hegemónica? - é esta a questão. E ela é cada vez mais incontornável e decisiva, é dela que depende o futuro da Europa. E este debate devia fazer-se imediatamente na Cimeira do Euro, entidade que reúne os líderes dos países da Zona Euro, e que foi criada no Último Conselho Europeu. Se o atual consenso de Berlim só serve, na verdade, à Alemanha e aos seus interesses nacionais, então a saída do euro que se deve equacionar é, como diz G. Soros, a da Alemanha: "A Alemanha deve decidir se quer refazer a Zona Euro na forma que estava destinada a ser, o que supõe que aceita as responsabilidades e os encargos necessários para avançar nessa direção. Ou se, caso contrário, deve considerar sair do euro e deixar que o resto dos países criem as obrigações conjuntas e combatam a crise." Trata-se de uma perspetiva importante, a reter e a trabalhar. Ela muda o paradigma dominante das relações de força na UE, permitindo alterações estratégicas decisivas para lidar com a crise do euro. E, como sublinha G. Soros, o "efeito sobre os países devedores seria quase miraculoso. De repente, converter-se-iam em economias competitivas e a sua dívida diminuiria enormemente, em termos reais, com a depreciação do euro. O peso do ajuste recairia sobre a Alemanha, que teria de lidar com o peso de uma divisa mais forte do que o euro, retirando-lhe competitividade nos mercados internacionais." Como também já em 2012 Joseph Stiglitz tinha afirmado em declarações à BBC, nada - nem a ameaça de uma eventual saída da Alemanha do euro - pode ou deve impedir a criação de eurobonds, se a maioria dos países da Zona Euro considerar que tal é vital para o seu futuro. E quanto mais tarde se confrontar a Alemanha neste ponto, pior! E atenção: os demónios que provocaram duas guerras tremendas na Europa estão apenas adormecidos, como recentemente lembrou Jean-Claude Juncker. E é bom não esquecer que o "imperialismo alemão" que esteve na sua origem tem raízes bem mais fundas do que muitas vezes se pensa. Basta, para o compreender, ler o extraordinário livro de Shelley Baranovski sobre o "german colonialism and imperialism from Bismarck to Hitler" (Cambridge U. P. 2010). Ele ajuda a perceber porque é que um espírito tão aberto, tão tolerante e tão pacifista como Einstein defendeu o desaparecimento da Alemanha do mapa europeu!...

quinta-feira, abril 25, 2013

«Se as consequências próximas ou distantes, leves ou pesadas de uma determinada política se devem considerar ´normais` , porque ubíquas, difusas, endémicas, tal não quer dizer que não se deva tentar que alguns seres humanos, pelo menos, reencontrem a consciência de si próprias e se salvem daquele ´complexo de rebanho` de que fala ALDOUS HUXLEY!!!» Alberto Castro Ferreira
- Como no Apocalipse, engolirei os frios e os quentes, mas vomitarei os mornos. Não suporto neutros nem manadas. Puuuu!! Poça, pá. Aqueles que seguem acefalamente a manada. Tenho mais asco pelo funcionário cinzento da SS do que por Hitler.

terça-feira, abril 23, 2013

A capacidade de se outrar. Ando a pensar nisto. De ser outro. De pensar como outro. De ver e sentir como outro.

Palavras Caras

O debate é antigo. Deve o escritor utilizar palavras consabidas ou revitalizar palavras menos conhecidas? Certo é que grandes monstros literários habitam os dois paradigmas, tornando a discussão permanentemente renovável. Um dos metadiálogos literários sobre o tema pertence a Faulkner e a Hemingway. He [Ernest Hemingway] has never been known to use a word that might send a reader to the dictionary. Poor Faulkner. Does he really think big emotions come from big words? He thinks I don't know the ten-dollar words. I know them all right. But there are older and simpler and better words, and those are the ones I use. Um dos princípios do jornalismo é o de que entre dois sinónimos a opção do escrevente deverá recair no sinónimo mais comummente utilizado, de modo que o público seja o maior possível. Bem sei que literatura e jornalismo são coisas bem distintas, mas, feliz ou infelizmente, muitos jornalistas migram para a ficção transportando essa ideia. É verdade que a leitura de um texto com palavras caras é menos fluida Ou o leitor pura e simplesmente ignora tais palavras e não vai ao dicionário, deixando zonas brancas na compreensão do texto (a adivinhação pelo contexto é, regra geral, um embuste), ou pega no dicionário ante cada palavra que desconhece ou consulta-o depois de sublinhar um conjunto de palavras na obra. A quebra da fluidez pode afastar leitores, mas não deixa de ser um argumento vicioso – a fluidez do entendimento aumenta na proporção directa do estudo de textos em que tropeçamos mais vezes. Quanto mais lemos, quantas mais palavras caras consultamos nos dicionários, menos vezes temos de o fazer. Percebemos isto facilmente quando nos iniciamos no estudo de uma língua estrangeira. Era o próprio Lenine que afirmava que não era a arte que devia descer ao povo, mas o povo que devia ascender à arte. Para Borges, uma palavra cara num texto era como um borrão de tinta – qualquer coisa que encadeava a vista e que nos fazia reparar mais na palavra do que na perspectiva global da página, do capítulo ou da obra. Não duvido de que muitos autores, mormente numa fase imatura da sua escrita, procuram despejar uma torrente de palavras caras (muitas vezes encaixadas forçadamente) para exibir uma putativa erudição. O narcisismo, a sensação de vaidade do conhecimento de algo partilhado por muito poucos, o poder de mandar o leitor fazer uma leitura intertextual (de que a ida ao dicionário é o exemplo mais corriqueiro) se quiser compreender a sua obra podem ser móbeis de muitos escritores na senda de Aquilino. Mas convém lembrar que vivemos tempos em que o léxico utilizado (na televisão, na imprensa, na comunicação das novas tecnologias de informação, nos próprios livros) é cada vez mais reduzido. George Steiner afirmou que «Shakespeare usava 24 mil palavras. Num estudo muito recente, pela companhia telefónica americana Bell, o total de palavras usadas por 90 por cento dos americanos ao telefone é de 150 palavras». James Joyce recorreu a mais de 30 mil palavras em Ulisses.Vasco Pulido Valente escreveu que quando se dedicou a ler a obra inteira de Camilo verificou que muitas palavras não estavam em dicionário algum. Porquê? Porque um dicionário é um registo, um espelho das palavras usadas pelos escreventes e pelos falantes. Não utilizar determinadas palavras é aniquilá-las, é contribuir para a sua expulsão da língua. Aqui, entramos num ponto essencial. Qual o problema de as palavras irem morrendo? Não é verdade que umas entram e outras saem? Porque devemos a todo o custo tentar preservar palavras que ninguém conhece? Porque quanto mais palavras temos cá dentro, mais chaves de decifração do mundo e do humano possuímos. Não só isso. Mesmo quem não defende a tese de que não há sinónimos perfeitos e de que portanto cada palavra, pelo seu étimo, pela sua conotação, transporta um significado único; mesmo quem não subscreve tal ideia concordará que o escritor munido de mais palavras dispõe de mais instrumentos para trabalhar a plasticidade, a beleza e a musicalidade da língua. Um acrescento importante. Não são apenas as palavras que morrem pela falta de uso. Determinados significados associados às palavras morrem quando deixam de ser empregados (quando consultamos um dicionário, percebemos que as palavras são quase todas muito mais polissémicas do que julgamos). As almas mundas de Camões remetem-nos para um adjectivo extinto – mundo enquanto oposto de imundo. É essa a preocupação expressa por Orwell no final de 1984, quando a novilíngua mantinha a palavra «livre», mas já não aplicável a homens livres, permanecendo apenas para frases como: «O cão está livre de pulgas.» Termino com uma confissão. Uma das coisas que mais me alimentam o espírito, provocando aquele preenchimento interior que é a satisfação intelectual, é o de conhecer uma palavra nova todos os dias. É o tipo de contentamento que não envelhece nem se embota – uma delícia no corpo que não consigo transmitir em palavras. Eis algumas. (Fonte: Houaiss.) vulpino Datação: 1840-1871 cf. SilCas n adjetivo 1 relativo a ou próprio de raposa; raposino Ex.: 2 (1881)Derivação: sentido figurado. hábil com ardis; ardiloso, astuto, raposeiro, raposino, traiçoeiro Ex.: vendedor v. metuendo Datação: 1690 cf. Alma n adjetivo Uso: formal. que causa temor, que mete medo talássico Datação: 1877 cf. MS7 n adjetivo 1 relativo ao mar e às águas oceânicas profundas 2 Uso: formal. da cor do mar Ex.: azul t. pusilanimidade Datação: sXV cf. FichIVPM n substantivo feminino 1 característica ou condição do que é pusilânime 2 fraqueza de ânimo, falta de energia, de firmeza, de decisão 3 medo, covardia queimor Datação: 1858 cf. MS6Ortoépia: ô n substantivo masculino 1 sabor muito picante; ardência, queimo Ex.: o q. da pimenta-malagueta 2 Derivação: por metáfora. estado de sobreexcitação, de arrebatamento; exaltação Ex.: o q. dos ânimos 3 Derivação: por extensão de sentido. forte perturbação; ardor Ex.: o q. das paixões 4 Derivação: por extensão de sentido. quentura febril Ex.: o q. do corpo 5 calor intenso pudicícia Datação: 1540 cf. JBarV n substantivo feminino 1 qualidade do que é casto; castidade, pureza 2 característica do que é pudico, tímido, recatado Ex.: a p. do primeiro amor 3 m.q. pudor femeeiro Datação: 1858 cf. MS6 n adjetivo e substantivo masculino 1 diz-se de ou macho que busca incessantemente a fêmea Ex.: <é um f., vive atrás da fêmea> 2 Regionalismo: Brasil. diz-se de ou reprodutor (touro ou garanhão) cujas crias são, na maioria, fêmeas 3 m.q. mulherengo ('dado a mulheres') n adjetivo Regionalismo: Minho. 4 m.q. fêmeo (vitic) n substantivo masculino 5 reunião de meretrizes; femeaço justafluvial Datação: 1899 cf. CF1 n adjetivo de dois gêneros que está nas imediações ou junto de um rio; marginal, ribeirinho deletério Datação: 1713 cf. RB n adjetivo 1 que é prejudicial à saúde; insalubre 2 Derivação: por extensão de sentido. que possui um efeito destrutivo; danoso, nocivo 3 Derivação: sentido figurado. que conduz à imoralidade, à corrupção; degradante 4 Rubrica: genética. cujo fenótipo é prejudicial para o organismo (diz-se de gene) malsão Datação: a1587 cf. APP n adjetivo 1 de saúde precária; que não se curou de todo, em mau estado Ex.: 2 (1600) nocivo à saúde; insalubre, doentio Ex.: o ar m. que se respira junto aos pântanos 3 Derivação: sentido figurado. que denota uma perversidade intelectual ou moral; mórbido Ex.: curiosidade m. 4 Derivação: sentido figurado. que ameaça o equilíbrio intelectual, moral; nocivo, maléfico Ex.: leitura m. 1mormacento Datação: 1716 cf. RB n adjetivo em que há mormaço Ex.: dia m. mormaço Datação: 1716 cf. RB n substantivo masculino 1 neblina quente e úmida, resultante de forte calor 2 temperatura abafada, quente 3 Regionalismo: Brasil. Uso: informal. indivíduo impertinente, aborrecido 4 Regionalismo: Pernambuco. Uso: informal. m.q. namoro ('ato', 'relação') feérico Datação: 1899 cf. CF1 n adjetivo 1 pertencente ao mundo da fantasia; mágico 2 que revela suntuosidade; luxuoso, fastuoso, deslumbrante Ex.: decoração f. 3 que turva a vista por excesso de luz ou brilho; deslumbrante, ofuscante Ex.: iluminação f. empíreo Datação: sXIV cf. FichIVPM n substantivo masculino 1 Rubrica: mitologia. lugar em que moram os deuses 2 Rubrica: teologia. lugar reservado aos santos e bem-aventurados; o céu n adjetivo 3 relativo ao céu; celestial 4 que está acima de tudo; supremo adâmico Datação: 1871 cf. DV n adjetivo 1 Rubrica: religião. relativo a Adão, o primeiro homem, segundo a Bíblia 2 Derivação: por extensão de sentido. relativo à primitiva raça humana 3 Derivação: por extensão de sentido. que é primitivo imarcescível Datação: 1680 cf. LacSJ n adjetivo de dois gêneros 1 que não perde o viço, o frescor Ex.: flor i. 2 Derivação: sentido figurado. impossível de corromper; incorruptível, inalterável Manuel Monteiro

sábado, abril 20, 2013

http://issuu.com/filipassuncao/docs/portelamagazine_n9
http://www.blogclubedeleitores.com/2013/04/palavras-caras-por-manuel-monteiro.html
http://fotos.sapo.pt/sergiolavos/fotos/?uid=FR1CetfPUoj1QcNZoBZZ

quinta-feira, abril 18, 2013

Por Manuel Maria Carrilho

É possível combater o défice e a dívida, sem o garrote da austeridade. É possível combater o desemprego e a precariedade, mesmo sem grande crescimento. Para tanto, o que é preciso é outra compreensão da crise e pensar a médio/longo prazo, inventado um novo modelo de desenvolvimento. Rebobinar o passado não nos leva ao futuro, mas ao impasse. São estas algumas das teses de um dos sábios do socialismo francês, Michel Rocard. Nada melhor, nem mais útil, no momento da reeleição de António José Seguro como secretário-geral do Partido Socialista, do que refletir nos conselhos deste antigo primeiro-ministro francês. Conselhos que, à luz das enormes dificuldades atuais do Presidente François Hollande - que está prestes a concluir o seu primeiro ano de mandato em condições calamitosas -, ganham ainda maior pertinência e oportunidade. Num livro recente, que intitulou La Gauche n"a plus Droit à l"Erreur (Ed. Flammarion), Michel Rocard, que foi sempre um socialista aberto e moderado, faz uma clarificadora análise da situação atual, global e europeia, estabelece um diagnóstico inovador sobre a crise que vivemos, e defende linhas de ação originais que merecem a maior atenção. Quanto à análise, é bom ter presente que há muito que Michel Rocard insiste em que a ideia, dominante em muitos governos europeus, de pagar a dívida em condições que enfraquecem ou inviabilizam o crescimento e provocam recessão é uma enorme estupidez, sobretudo que justamente condena qualquer perspetiva séria de efetivo pagamento da dívida. E que, portanto, o que é urgente, é inventar - porque é disso mesmo que se trata - um equilíbrio entre o pagamento da dívida e a despesa (pública, mas não só) necessária à manutenção do poder de compra e do investimento. Mas como? Tem sido aqui, neste ponto, que todos os impasses se têm acumulado e todos os dilemas se têm agudizado. Talvez porque, como sugeriu Joseph Stiglitz, todos eles conduzem ao paradoxo de se estar a pensar fazer uma transfusão a um doente que tem uma hemorragia interna... O problema, pensa Michel Rocard, é mesmo este, pelo que a boa questão é a de saber onde é a hemorragia e quais são as suas causas. Isto é, dito de outro modo, "porque é que os nossos países se tornaram viciados na dívida? Porque é que, se diminui a transfusão, eles entram em recessão?"(p. 83) A resposta está na história. Se olharmos para trás, umas décadas, verifica-se que este processo se inicia nos anos 80, depois de mais ou menos 30 anos em que as economias cresceram sem aumentar a sua dívida: foram 30 anos sob a égide do pleno emprego e do regular aumento do poder de compra. Na linha de um fordismo que - convém lembrar - via o salário mais como um elemento nuclear da procura do que como um custo. Foi precisamente isso que levou Henry Ford a quase dobrar os salários dos seus operários e a diminuir o tempo de trabalho - é muito instrutivo reler hoje o famoso discurso onde ele explicou "why I favour 5 days work with 6 days pay", de 1926. Esta inspiração seria mais tarde desenvolvida, no plano social, por Beveridge, e no plano económico por Keynes, dando forma ao que se convencionou designar o Estado Providência. (Entre parêntesis: e se o pleno emprego se instalou, foi em paralelo com outro processo de que raramente se fala, o da diminuição do tempo de trabalho, uma constante até aos anos 70 do século XX.) E isto só viria a ser posto em causa nos anos 80, a seguir ao impacto da crise petrolífera da década anterior, com a revolução conservadora de Margaret Tatcher e Ronald Reagan. Foi aí que realmente tudo mudou. Os salários deixaram de crescer, nos quinze países mais ricos da OCDE a percentagem dos salários no PIB caiu constantemente, passando de 67% do PIB em 1982 para 57% em 2007: dez pontos! É então que a dívida emerge e começa a crescer, num movimento ascendente que nunca mais parará: "Para garantir aos acionistas os lucros colossais e garantir um alto nível de consumo do conjunto da população, o neoliberalismo tem estruturalmente necessidade, todos os anos, de um nível de dívida mais elevado, para continuar a prosperar."(p. 92) Hoje, a dívida total dos Estados Unidos é de 350% do PIB, e a da Inglaterra é de 900%. E a liquidez em circulação no mundo atinge o "exuberante" valor de 800 biliões de dólares, enquanto o PIB mundial anda nos 62 - ou seja a "economia" virtual é cerca de 13 vezes superior à economia real! A análise de Michel Rocard altera substancialmente o retrato dominante da crise, e aponta para um diagnóstico que deve fazer pensar: "Nós não estamos face a uma crise do Estado-Providência, mas antes e acima de tudo face a uma crise do capitalismo, cuja duração e gravidade tornam insuficientes as respostas clássicas do Estado-Providência."(p. 107) E continua: "A causa fundamental da crise encontra-se nas desigualdades que se cavaram no sector privado. Fala-se muito de dívida pública, em particular porque os Estados tiveram de funcionar como garante dos bancos, mas a crise não vem do Estado. A crise vem do desemprego e das desigualdades de rendimentos." Este diagnóstico conduz, por sua vez, a uma nova abordagem do crescimento, da produtividade, do tempo de trabalho, da energia - além, naturalmente, da Europa. E a um conjunto de medidas muito concretas, que Michel Rocard apresenta com simplicidade, sentido pedagógico e ambição política. Só assim se libertará o futuro das armadilhas do passado. Vale mesmo a pena ler.
«Certo dia parei para observar as mulheres e só pude concluir uma coisa: elas não são humanas. São espiãs. Espiãs de Deus, disfarçadas entre nós. Pare para refletir sobre o sexto-sentido. Alguém duvida de que ele exista? E como explicar que ela saiba exatamente qual mulher, entre as presentes, em uma reunião, seja aquela que dá em cima de você? E quando ela antecipa que alguém tem algo contra você, que alguém está ficando doente ou que você quer terminar o relacionamento? E quando ela diz que vai fazer frio e manda você levar um casaco? Rio de Janeiro, 40 graus, você vai pegar um avião pra São Paulo. Só meia-hora de vôo. Ela fala pra você levar um casaco, porque "vai fazer frio". Você não leva. O que acontece? O avião fica preso no tráfego, em terra, por quase duas horas, depois que você já entrou, antes de decolar. O ar condicionado chega a pingar gelo de tanto frio que faz lá dentro! "Leve um sapato extra na mala, querido. Vai que você pisa numa poça..." Se você não levar o "sapato extra", meu amigo, leve dinheiro extra para comprar outro. Pois o seu estará, sem dúvida, molhado... O sexto-sentido não faz sentido! É a comunicação direta com Deus! Assim é muito fácil... As mulheres são mães! E preparam, literalmente, gente dentro de si. Será que Deus confiaria tamanha responsabilidade a um reles mortal? E não satisfeitas em ensinar a vida elas insistem em ensinar a vivê-la, de forma íntegra, oferecendo amor incondicional e disponibilidade integral. Fala-se em "praga de mãe", "amor de mãe", "coração de mãe"... Tudo isso é meio mágico... Talvez Ele tenha instalado o dispositivo "coração de mãe" nos "anjos da guarda" de Seus filhos (que, aliás, foram criados à Sua imagem e semelhança). As mulheres choram. Ou vazam? Ou extravazam? Homens também choram, mas é um choro diferente. As lágrimas das mulheres têm um não sei quê que não quer chorar, um não sei quê de fragilidade, um não sei quê de amor, um não sei quê de tempero divino, que tem um efeito devastador sobre os homens... É choro feminino. É choro de mulher... Já viram como as mulheres conversam com os olhos? Elas conseguem pedir uma à outra para mudar de assunto com apenas um olhar. Elas fazem um comentário sarcástico com outro olhar. E apontam uma terceira pessoa com outro olhar. Quantos tipos de olhar existem? Elas conhecem todos... Parece que freqüentam escolas diferentes das que freqüentam os homens! E é com um desses milhões de olhares que elas enfeitiçam os homens. EN-FEI-TI-ÇAM ! E tem mais! No tocante às profissões, por que se concentram nas áreas de Humanas? Para estudar os homens, é claro! Embora algumas disfarcem e estudem Exatas... Nem mesmo Freud se arriscou a adentrar nessa seara. Ele, que estudou, como poucos, o comportamento humano, disse que a mulher era "um continente obscuro". Quer evidência maior do que essa? Qualquer um que ama se aproxima de Deus. E com as mulheres também é assim. O amor as leva para perto dEle, já que Ele é o próprio amor. Por isso dizem "estar nas nuvens", quando apaixonadas. É sabido que as mulheres confundem sexo e amor. E isso seria uma falha, se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e respeitosa com a própria vida. Pena que eles nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado. Com todo esse amor de mãe, esposa e amiga, elas ainda são mulheres a maior parte do tempo. Mas elas são anjos depois do sexo-amor. É nessa hora que elas se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos. E levitam. Algumas até voam. Mas os homens não sabem disso. E nem poderiam. Porque são tomados por um encantamento que os faz dormir nessa hora.» Luís Fernando Veríssimo

quarta-feira, abril 17, 2013

Muita gente confunde bondade com necessidade de agradar como mecanismo de conquista do outro e consequente autovalidação.
Prefiro um autoritário a um manipulador. Pela transparência.

segunda-feira, abril 15, 2013

Há sentimentos que temos que não encontram palavra alguma em idioma algum. Esta música permitiu-me uma coisa única - senti pela primeira vez que alguém expressava o sentimento que experenciara, particularmente em duas ocasiões. (Deliciosos os adjectivos e a sua musicalidade terminados em i grego que Robert Smith escolhe.) Ela morava no estrangeiro, estava de passagem indo-se embora no dia seguinte, e eu encontrei-a por acaso na paragem de autocarro. Namoráramos há oito anos e o encontro causou uma efervescência em ambos. Apesar do encanto, apesar de saber que não a voltaria a ver facilmente (e, de facto, não voltei), um trabalho de grupo pendia sobre mim e, a muito custo, disse-lhe que não podia tomar café com ela - tinha um grupo à minha espera na faculdade para fazer um trabalho de não-sei-quê de uma disciplina de que não recordo com pessoas de que não recordo. O outro é demasiado trágico. Desperdicei em nome das tizzy fizzy idiot things a oportunidade de estar com uma pessoa que morreu - e de dizer-lhe o quanto gostava dela.

sexta-feira, abril 12, 2013

Tolentino Mendonça alerta para os amigos que são máquinas de tentativa de produção de idênticos - a eles mesmos ou ao seu ideal-ser. A fusão que gera confusão e obnubilação da intidade.
A superlativa e inexcedível lisonja: a imitação.
Motivos para trabalhar: ser útil ao outro; uma mente desocupada é uma oficina do Demónio.

quinta-feira, abril 11, 2013

É certo que a maioria das pessoas é mais de falar do que de ouvir. Mas sabes aquelas que ocupam a maioria do tempo e que mal te ouvem e que quando o fazem fingem que te ouvem ou despacham-te num instante. Pois, pois, claro, claro, sim, sim, sim, como eu estava a dizer... Na cabeça delas, o seu discurso nunca é interrompido. Quando discutes e elas te dão espaço, o que elas estão a fazer é a pensar no que vão dizer a seguir, a lembrar-se de tudo, a estruturar a coisa. E se tu tens um braço partido, a unha dele/a encravada é mais importante.

quarta-feira, abril 10, 2013

Amizade, Emerson

A RUDDY drop of manly blood The surging sea outweighs; The world uncertain comes and goes, The lover rooted stays. I fancied he was fled, And, after many a year, Glowed unexhausted kindliness Like daily sunrise there. My careful heart was free again,-- O friend, my bosom said, Through thee alone the sky is arched, Through thee the rose is red, All things through thee take nobler form And look beyond the earth, The mill-round of our fate appears A sun-path in thy worth. Me too thy nobleness has taught To master my despair; The fountains of my hidden life Are through thy friendship fair.
«Apaixonar-se é criar uma religião que tem um deus falível.» Jorge Luis Borges
«My friends are my estate.» Emily Dickinson
O desportista sente o seu corpo tóxico e entorpecido quando não pratica. O culto sente a sua mente estagnada, em botada e brutecida quando não lê.

terça-feira, abril 09, 2013

- O que tens? - Nada. - Diz lá... O que tens? - Ando nas minhas cogitações com a Lua.

segunda-feira, abril 08, 2013

Teorias que ouvi sobre as idades.

1. - Tenho oitenta e dois. Farei a última capicua daqui a seis anos na melhor das hipóteses. O mais doloroso foram os quarenta. É esse o meridiano que separa a vida tranquila da vida das coisas chatas. Os quarenta são terríveis, porque de ora em diante são sempre «entas» - entra-se na era dos enta sem se sair. 2. - Falar de uma idade que não se teve é como falar do sexo que não se tem. Só quando cheguei aos cinquenta é que percebi certos aspectos da vida. É impossível percebê-los antes dos cinquenta. A minha vista ficou mais turva e eu não me importei perante a claridade do entendimento que ganhei. É impossível de explicar. É como aquela frase do Leonard Cohen que diz ergueu a taça que não pode ser erguida aos olhos da juventude - a taça da verdade. 3. - O processo de envelhecimento é um processo de embotamento da intensidade - as respostas emocionais são mais brandas, nem tão negativas, nem tão positivas. Os melhores anos são os quarentas. É nessa altura que começa o abrandamento. Ganha-se uma serenidade. Ralamo-nos menos com as coisas, porque passamos a entender o que é verdadeiramente importante e ainda conservando uma forte capacidade de sentir alegremente as coisas boas.

quarta-feira, abril 03, 2013

- Mas se tu não tiveste um período de grande sofrimento, não consegues ter empatia com pessoas que passam por isso. Uma depressão é a forma de passarmos por um processo de autoquestionamento, de formulação das perguntas essenciais, sem o qual esse trabalho interior nunca é conseguido. É duro, muito duro, mas passa sempre e aprende-se o mais importante. Lembro-me sempre da frase de uma mulher que teve cancro e depressão em momento diferentes e disse: «Prefiro o cancro à depressão.»

terça-feira, abril 02, 2013

- Não, não, não, nada disso. Temei antes os fracos. Não é a pessoa resolvida consigo a que entra numa escola ou num café e mata meia dúzia de pessoas. Porque é que essas pessoas têm sempre uma história pessoal de frustração e infelicidade? Não são as conquistas, o sentir-se amado, as realizações pessoais que produzem déspotas, é antes a falta de amor e de compreensão que os leva a vingarem-se numa sede enorme de poder. Não é o homem que foi muito amado aquele que maltrata a mulher. Não é quando a vida vos corre bem menos que estão mais susceptíveis, mais irascíveis, mais propensos à raiva ou à violência? Não é quando estão frustrados por não conseguirem chegar a um sítio a horas que têm tendência a buzinar mais? Acaso será a vingança o resultado de uma compensação por um acto de amor ou de frustração? Freud dix it: a frustração é a origem de todos os males.