quinta-feira, março 21, 2013

Castro Caldas explica que a mente é conservadora. Vicia-se no hábito. Prefere o antigo. O conhecido. Saul Bellow dizia que sofrer era outro mau hábito. Quando se fala em conservadorismo, pensa-se nos costumes e nas tradições. Mas não nos falam de mentes mais ou menos conservadoras. Conheço pessoas «revolucionárias», «libertárias» que na vida pessoal não mudam de hábitos, de rotinas, que estão presas às mesmas pessoas. Uma delas diz que o processo de conhecer uma pessoa nova a cansa - «já conheci pessoas para o resto da vida. Dispenso conhecer mais».

Sem comentários: