quinta-feira, janeiro 31, 2013

o amor no asilo alguém estranho veio para dividir meu quarto na casa que era doente da cabeça, uma rapariga insana como os pássaros. encerrando a noite na porta com seu braço sua pluma na cama ela ilude a casa à prova de céu com nuvens e no entanto ela ilude ao caminhar o pesadelo do quarto de mesma imensidão que a morte ou navega o imaginado oceano do homem. ela veio possuída deixando entrar a luz iludida através das paredes, possuída pelos céus. ela dorme no estreito enquanto caminha por entre a poeira e grita à vontade por entre os cômodos do hospício que definham no andar de minhas lágrimas. apanhado pela luz em seus braços por último e até o fim - eu vou sem medo de errar sofrer a visão primeira que há de atear fogo às estrelas. Dylan Thomas

4 comentários:

Luis Rodrigues disse...

mi gusta a menina insana como os pássaros. ponto.

Anónimo disse...

“We can catch buses and count our change and cross the roads and talk real sentences. But our innocence goes awfully deep, and our discreditable secret is that we don't know anything at alL, and our horrid inner secret is that we don't care that we don't.”

Dylan Thomas

Anónimo disse...

secretely true... shiiuuuu

Sr Joao disse...

a rapariga insana como pássaros é tão ______, que já pensei usá-lo como título de livro