domingo, dezembro 23, 2012

Ter-se mais tempo

... permite excentricidades.
Como estudar os países que praticam a pena de morte, os recém-abolicionistas.
Estudar as bandeiras de cada país e o que representam.

4 comentários:

Anónimo disse...

Voltamos à efemeridade. Se há bem mais precioso que o tempo, é fazermos com ele aquilo que entendemos. Contudo, apenas ao alcance de quem não entra na espiral a que a sociedade condena. Uma verdadeira caixa de Pandora. Não roubada mas graciosamente cedida pelo capitalismo. Que enceta o pior dos males - a esperança - e assim nos mantém eternamente (?) a consumir O tempo, à espera de Um tempo que não vem.

Anónimo disse...

Sim, o capitalismo estimula a efemeridade e obsoletismo dos produtos para alimentar consumismo

Anónimo disse...

Como demonstrar o afecto aos nossos.

Feliz Natal, Sr. João.
Feliz Natal, AngeL.

Sr Joao disse...

Quão sentido me (nos) parece. Um abraço.