quinta-feira, maio 05, 2011

Fernando Pessoa era caótico na vida - como não poderia sê-lo quem tinha tantos eus dentro de si? Na política, era próximo do autoritarismo. Na vida pessoal, desorganização. Na vida pública, defendia a organização, a disciplina, o rigor, a autoridade.

Marinho e Pinto diz que se lhe matassem a filha, arrancava os olhos do homicida e matava-o com requintes de tortura. Contudo, é cem por cento contra a tortura, a prisão perpétua e a pena de morte.

As opções colectivas, aquilo que achamos que o Estado deve traduzir ou que sociedade deve ser, por vezes, nada devem às opções da nossa vida.


Sem comentários: