sexta-feira, abril 22, 2011

- Estou a ler o primeiro volume do Tempo Perdido. É alienante. Vivo no livro, ou o livro vive em mim. Sei que é uma experiência alienante.

12 comentários:

G. Varino disse...

É a tradução do Tamen?

Anónimo disse...

... é por isso que estás a alienado?!
Be carefull, esse tipo de livros costumam sugar-nos ... e puff ... desaparecemos dentro da estória!!
g.

G. Varino disse...

O objectivo é mesmo esse - fundir-mo-nos na história, perder-mo-nos na "willing suspension of desbelief". E ele há coisa mais bela do que essa?

G. Varino disse...

*disbelief

G. Varino disse...

*disbilif*

G. Varino disse...

*desbilif

G. Varino disse...

Os monstros do erro atacam-me sempre pela madrugada adentro...

G. Varino disse...

http://listen.grooveshark.com/#/search?q=cães de crómio

Então os cães de crómio
Assaltam-me a madrugada
E tu enches-me de gasolina
E chegas-me um fósforo.
Agarro-me ao cheiro a informação pela manhã,
E a ti...
Fossilizo-me pelos biliões de anos
Que te persigo
E aqueço-me no teu frigorífico
Micro-ondas.
Anuncio o amanhã das estrelas
O "hoje" perdeu a validade.
Sou o sol, o teu irmão
E morro sempre por ti!

Anónimo disse...

tamen, claro, g. varino

Anónimo disse...

cães de crómio?

G. Varino disse...

Sim, cães de crómio e monstros do erro, ambos assaltantes da madrugada.

Anónimo disse...

:)))