domingo, abril 24, 2011

Ele andava sempre de calças quando eu era miúdo. Nunca compreendi porque não as dispensava nos dias de mais calor (nem na praia as tirava).

Alegava sempre qualquer coisa se fosse instado a andar de calções.

Um dia, vi a sua perna direita: desfeita, massacrada, repelente.

Percebi então que são os pontos mais frágeis aqueles que costumamos cobrir de mais texturas.

Sem comentários: