segunda-feira, março 21, 2011

Quando tinha sete anos, o meu pai costumava levar-me ao circo. Ele
tinha um farto bigode negro e usava um fato lindíssimo, com uma flor na
lapela. Ele gostava mais do circo do que eu. Mas havia um momento
que eu esperava sempre. Não me quero impor. Isto não é como cantar a sós com o Nietzsche. Mas havia uma altura, em que um homem aparecia e pedia a todos que acendessem um fósforo, para localizar cada pessoa. Era um momento mágico.


Leonard Cohen, in Live At The Isle Of Wight

6 comentários:

Anónimo disse...

Acende um fósforo
Adorava ver essa chama acesa


V

speauneum disse...

ahahahahaahahahahahahahahahahaha

Anónimo disse...

... não brinques com fósforos, nem com chamas ... ainda descobres uma vocação escondida para pirómano!!!
eheheheeheheheheheheehehehe
... e quem brinca com o fogo, normalmente ... queima-se!!!!
g.

Anónimo disse...

Quem és tu, V?

V.

Anónimo disse...

A única
A que arde
A da chama

V

speauneum disse...

confronto de admiradoras homónimas ou uma só admiradora com múltipla personalidade?