domingo, dezembro 12, 2010

Há o casal e há o casalinho.

O casalinho é um mundinho-fechado-que-vai-enferrujando-a-sua-capacidade-de-comunicação-com-o-mundo-exterior. Estão sempre juntinhos os membros do casalinho. Vêm carregados de compras do supermercado, lavam a casa, lavam a loiça, trabalham muito, ele é engenheiro, ela é gestora, e quando chegam a casa cuidam da casa e da família. Não têm energia para mais nada.

Quando o telefone toca, um diz ao outro:

- Atende tu, é a tua mãe.

A imprevisibilidade é um elemento que não entra no relatório de contas do casalinho.

Com o tempo, os passatempos individuais vão-se extiguindo. Ele deixa de surfar sábado de manhã. Ela deixa de ir ao cinema com a amiguinha.

O casalinho socializa pouco. De quando em vez, está com os pais e os sogros, e, muito raramente, junta-se a outro casalinho e é uma loucura.

Falam de extravagâncias. De loucuras engraçadíssimas. De multas que levaram, de uma prestação que ficou por pagar e riem-se muito.

- Ele gosta muito de comer croquetes e de me sujar a sala!

- Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!

São uns marotos eles. Fazem com cada uma, os malandros. Às vezes, até bebem um copo nas associações de casalinhos e falam do Benfica e dos colegas e dos patrões e da facturação mensal. Um membro do casalinho diz invariavelmente a certa altura:

- Ai, ai! Já é quase uma da manhã! Amanhã temos de ir ao Pingo Doce de manhã.

E recolhem ao lar. Cansados, felizes, trocando piadas privadas.

16 comentários:

G. Varino disse...

Texto muito acutilante e terrivelmente corrosivo. Mas isto não acabará sempre por acontecer com todos os casais? E mais, qual é a fronteira entre o amor e a segurança; entre o prazer de se conhecer o outro e a rotina?

The Blue Nile; Tinseltown in the Rain: http://www.youtube.com/watch?v=rwTFjGj8zcc&feature=related

Anónimo disse...

Muita boas perguntas! Acho que só vivendo se pode ter a resposta, e para uns pode ser uma, para outros pode ser outra...

V.

serrasantos disse...

O modo de vida funcionário. Os formiguinhas da vida. Morrerão tarde talvez e felizes, deixando um legado vazio. Se calhar é esse o sentido da vida.

serrasantos disse...

BTW V, as tuas três linhas de texto conseguem não dizer nada..

Anónimo disse...

Se calhar é mesmo esse o sentido da vida... para alguns, para os que se contentam... Para outros, os que não conseguem conter o entusiamo pela novidade e pela vontade de aprender, não pode ser. Aliás, não é!

Joana

Anónimo disse...

BTW?
E se as minhas três linhas não te dizem nada, peço desculpa, e sem querer ofender, mas temos pena...

V.

Anónimo disse...

Confesso, contudo, que as rotinas são muitas vezes apaziguantes e necessárias...

Joana

Anónimo disse...

... e aqui, constatamos que o pequeno "oásis" rapidamente se vê submergido pelo NOJO!
g.

Anónimo disse...

reescrevo, e onde disse "as rotinas" queria dizer "algumas rotinas".

A falta de opinião e o pensamento acritico são maus, péssimos, mas o extremismo não é melhor! vêm ambos da ignorância e da falta de flexibilidade.

Joana

Anónimo disse...

Concordo em pleno, Joana. :)

V.

Anónimo disse...

E acrescento uma grande frase: «um grande homem não é aquele que conquista muitas mulheres, mas sim aquele que conquista muitas vezes a mesma mulher». Esta frase não pretende ser um pensamento definitivo, mas ser mais uma fonte de reflexão para a grande QUESTÃO, sobre a qual todos aqui dissemos aqui desconhecer a verdadeira resposta...

V.

serrasantos disse...

btw -> by the way
asap -> as soon as possible
imho -> in my humble opinion
imo -> in my opinion
lol -> laughs out loud
mod -> moderator
wysiwyg -> what you see is what you get

Anónimo disse...

Se me permitem acrescento

ROTFL - Rolling On The Floor Laughing; indicates great amusement at something in a discussion group.

e mais haverão...

Joana

Anita vai à Tasca disse...

Aqui está a resposta a todas as perguntas - http://www.youtube.com/watch?v=jESR_FuGOe0&feature=related.

Anónimo disse...

ouvi the blue nile... bom...

Anónimo disse...

É, mto bom... bato palmas a ti... és o maior...